Campo Grande, MS
quarta-feira, 2 de dezembro, 2020

Notícias

Mídia CG > Notícias > A produtividade precisa ser política de Estado

A produtividade precisa ser política de Estado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

A Gazeta do Povo publicou um artigo que precisa ser lido por Jair Bolsonaro e equipe.

Nele, Débora Costa, Fernando Camargo e Sandro Cabral mostram que o aumento da produtividade deveria ser vista como política de Estado, não de governo.

Eis alguns trechos do artigo:

“Em comparação ao Brasil, o que países como Holanda, Dinamarca, França e Eslovênia têm em comum? Além de temperaturas médias mais baixas e de não ter o português como língua oficial, todos esses países apresentam taxas de produtividade mais elevadas que a brasileira, isto é, precisam de menos horas de trabalho para gerar a mesma quantidade de riqueza em relação a nós. Segundo relatório do Banco Mundial publicado em março de 2018, o abismo só tem aumentado: a produtividade do trabalhador brasileiro aumentou apenas 17% nos últimos 20 anos, enquanto países de alta renda observaram um incremento de 34%.

Com o aumento da expectativa de vida da população e o fim do chamado bônus demográfico, é imperativo que o Brasil tenha a capacidade de fazer mais com menos e aumente o volume produzido por aqueles que estão na ativa. O aumento da produtividade de um país beneficia a população de forma ampla, que assim pode usufruir de bens e serviços com custos de produção mais baixos e de melhor qualidade. Ao mesmo tempo, seu aumento não é excludente ou rival, pois beneficia a sociedade indistintamente, permitindo classificar a produtividade como bem público. Fica claro que melhorar a produtividade pode ser uma das saídas mais eloquentes para a melhoria dos padrões de desenvolvimento do país.”

E também:

“Mas, se a produtividade é benéfica, por que governos mais à direita e mais à esquerda do espectro político não conseguiram desatar esse nó e colocar o Brasil num círculo virtuoso? A resposta é simples: governos não têm colocado esse tema como prioridade por causa dos elevados custos políticos associados e das pressões de corporações. Os benefícios de políticas voltadas ao aumento da produtividade são difusos e observáveis no longo prazo, mas os custos políticos são pagos à vista na forma de perda de apoio de base parlamentar e de reações contrárias de corporações que se acostumaram a viver de privilégios e com enorme capacidade de fazer seus interesses serem atendidos. Assim, sob a ótica do político-padrão – aquele que almeja otimizar suas chances de eleição mais do que observar o bem-estar coletivo –, a conta não fecha.

De fato, várias brigas teriam de ser compradas para levar adiante uma agenda de estímulo à produtividade. A lista de exemplos é longa e vai do lobby dos notários contra o projeto de lei que cria a duplicata eletrônica, capaz de diminuir a burocracia e de aumentar a segurança do sistema de garantias, às entidades de advogados contrários ao uso de tecnologia da informação para auxílio na elaboração de ações trabalhistas que aumentariam a eficiência da Justiça, passando por estamentos do funcionalismo público que podem ter seus privilégios revistos, empresários nacionais defensores de reserva de mercado e contrários à diminuição das alíquotas de importação, dirigentes de sindicatos patronais que sobrevivem graças aos repasses públicos e são refratários ao exame detalhado do impacto de suas entidades, chegando a grupos de interesse bem conectados ao sistema político e sedentos por créditos subsidiados e benefícios tributários, apenas para citar alguns casos.”

E ainda:
“O aumento da produtividade é necessário para um crescimento permanente e sustentável. Países como Austrália e Chile encontraram nas chamadas “Comissões de Produtividade” uma forma para romper com o statu quo. O Brasil pode trilhar o mesmo caminho para coordenar harmonicamente a atuação dos diversos setores governamentais, para institucionalizar e perenizar a agenda e, principalmente, esclarecer as implicações de políticas que travam a produtividade, explicitando com base em evidências robustas os ganhadores e perdedores de um dado arranjo. Para evitar a criação de mais uma agência governamental, tais funções poderiam ser acopladas a estruturas que já realizam avaliação de políticas públicas. Naturalmente, além de estar suficientemente blindada de influências políticas, a comissão de produtividade necessita de elevada reputação técnica e empoderamento institucional para implementar suas recomendações a todas as esferas da máquina pública.”

Fonte: O Antagonista