Campo Grande, MS
quinta-feira, 13 de maio, 2021

Notícias

Mídia CG > Notícias > AEM: Lâmpadas de LED contribuem para a economia de energia elétrica

AEM: Lâmpadas de LED contribuem para a economia de energia elétrica

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

Em época em que os valores das contas de energia elétrica tendem a aumentar devido, entre outros fatores, ao Verão, a Agência Estadual de Metrologia de Mato Grosso do Sul (AEM-MS) órgão vinculado à Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) e delegado do Inmetro, sugere algumas dicas de economia.

Além de tomar banhos mais curtos (de até cinco minutos); de não deixar portas e janelas abertas em ambientes com ar condicionado e mantendo os filtros do aparelho limpos; de só deixar a porta da geladeira aberta o tempo que for necessário, regulando a temperatura interna de acordo com o manual de instruções; e de juntar roupas para passar de uma só vez não deixando nunca o ferro ligado enquanto faz outra coisa; trocar as lâmpadas comuns pelas de LED também é uma boa saída para economizar.

O preço das lâmpadas de LED é mais alto do que o valor das fluorescentes, contudo, o gasto na compra é compensado com a redução na conta de energia elétrica. Também tem a questão da durabilidade, que é maior, podendo resistir até quatro vezes mais do que as fluorescentes compactas.

Agora, o que poucos sabem é que entre as lâmpadas de LED há diferença de consumo de energia elétrica de acordo com o modelo, podendo ser mais ou menos econômicas. 

  1. Verifique se a lâmpada possui informações presentes na Etiqueta Nacional de Conservação de Energia, que indicam a potência, o fluxo luminoso, a eficiência luminosa e a segurança elétrica;
  2. Lâmpadas com maior eficiência luminosa são as que menos consomem eletricidade;
  3. Entre lâmpadas que possuem a mesma potência, a que tiver maior fluxo luminoso é a mais eficiente;
  4. Entre duas lâmpadas com fluxo luminoso semelhante, a de menor potência é mais econômica;
  5. O tempo estimado na embalagem não significa o tempo que a lâmpada vai levar para queimar e sim o período que ela passará a funcionar com mais ou menos 70% da capacidade luminosa original.

Outras informações, inclusive mais detalhadas, podem ser conferidas na página do Inmetro.

Energia elétrica

Trocar lâmpadas comuns pelas de LED é uma boa saída para economizar. Foto: Tricurioso

No dia 31 de janeiro foi divulgado o relatório mensal do mercado de energia elétricarealizado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), vinculado ao Ministério de Minas e Energia. O documento apresenta as consolidações por classe e regiões do consumo de energia elétrica, além de uma análise do comportamento do mercado.

De acordo com o estudo, o consumo de energia elétrica no Brasil aumentou 1,1% no ano passado, totalizando 467.161 gigawatts/hora (GWh). Ainda conforme o documento, análise mais detalhada dos dados aponta que o consumo de energia elétrica aumentou em três das cinco regiões brasileiras, com destaque para o Centro-Oeste, que teve crescimento de 4,8% em relação a novembro. Na Região Sul, a alta foi de 2,2% e, no Sudeste, de 1,3%. Em contrapartida, fecharam dezembro com queda na demanda à rede as regiões Norte, com menos 10,8%, e Nordeste, com menos 0,5% na comparação com novembro.

Fonte: Portal do MS