Campo Grande, MS
domingo, 23 de janeiro, 2022

Saúde

Mídia CG > Saúde > AGENTES DE SAÚDE FARÃO VISTORIA EM IMÓVEIS FECHADOS OU ABANDONADOS

AGENTES DE SAÚDE FARÃO VISTORIA EM IMÓVEIS FECHADOS OU ABANDONADOS

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, foi autorizada pela Justiça a entrar em imóveis desocupados, fechados ou  abandonados para eliminar possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti, que transmite dengue, zika e chikungunya. O alvará de autorização geral foi solicitado pelo Município no dia 9 de janeiro e deferido na noite de ontem (26) pelo juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos

O ingresso dos agentes nos imóveis deverá ocorrer em dias úteis, das 8h às 18h, devendo constar no relatório, o horário e duração da diligência praticada.

O pedido da Prefeitura menciona que há inúmeros imóveis espalhados pela cidade que estão fechados e desabitados, e os quais os agentes comunitários de saúde (ACS) e de combate de endemias (ACE) não têm acesso, ficando prejudicada a ação de eliminar possíveis criadouros em determinado bairro, se uma única casa não for vistoriada naquele local.

O alvará de autorização geral, em caráter de urgência implica na vistoria dos imóveis fechados, sem a necessidade de recorrer ao judiciário de forma individualizada, visando, principalmente, a celeridade de acesso a estes locais.

Na autorização da justiça, o magistrado ressalta que os agentes de saúde deverão realizar um breve relatório das circunstâncias que justificaram o ingresso e dos atos praticados lá dentro, assinado por no mínimo dois agentes responsáveis e por mais uma testemunha. Se possível, um dossiê fotográfico da situação seria de grande utilidade. Também deverá constar que o proprietário tentou ser localizado, sem sucesso.

O Ministério Público Estadual (MPE) manifestou-se favorável ao pedido do Município para “atender a saúde pública”, afirmando que “há clara legitimidade do fim e do meio, uma vez que a invasão será permitida por ordem judicial”. O órgão pontuou ainda que “a entrada no domicílio é meio adequado, pois promove o fim, à medida que propicia a limpeza e controle dos vetores pelos agentes comunitários de saúde”.

A autorização é válida por 12 meses e pode ser renovada a cada ano, neste mesmo processo, mediante simples requerimento, caso não haja nenhum problema anterior que reclame adaptações

Ações

A partir de agora, um cronograma de vistorias nestes locais será elaborado, atendendo os critérios da autorização da justiça, para que os agentes possam entrar nos imóveis, fazer a vistoria e eliminar possíveis criadouros do Aedes. A previsão é que ainda esta semana sejam executadas as primeiras fiscalizações.

Atualmente o município conta com 537 agentes na Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais (CCEV) da SESAU, entre supervisores, e agentes de campo, sendo 355 visitadores que têm por atribuição fazer a vistoria neste locais.

Situação epidêmica 

Do dia 1º de janeiro até o dia 26 de fevereiro foram notificados 6.414 casos de dengue em Campo Grande. Apesar de expressivo, o número é menor ao registrado no mesmo período de 2016, quando ocorreu a última epidemia da doença. À época foram notificados mais de 19 mil casos de dengue, somente nos meses de janeiro e fevereiro. Em todo o ano foram mais de 30 mil casos.

O aumento de casos este ano motivou a Prefeitura de Campo Grande a emitir um alerta de risco eminente de epidemia de dengue que, estatisticamente, já está  consolidada, uma vez que os casos registrados até agora superam a marca de 300 para cada 100 mil habitantes, margem considerada de “segurança” pelo Ministério da Saúde.

No início dessa semana a SESAU encaminhou pedido ao ministério para que seja decretada situação de emergência o que deve dar mais celeridade na compra de medicamentos e insumos e também facilitará a contratação de mais profissionais para reforçar o atendimento nas unidades de saúde do município.