Campo Grande, MS
sexta-feira, 22 de janeiro, 2021

Saúde

Mídia CG > Saúde > ATENDIMENTO HUMANIZADO MELHORA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES ACAMADOS

ATENDIMENTO HUMANIZADO MELHORA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES ACAMADOS

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

Pacientes que estão acamados e que necessitam de acompanhamento humanizado para garantir melhor qualidade de vida, condições de reabilitação e orientação aos cuidadores são atendidos pelo Serviço de Atenção Domiciliar (SAD), em funcionamento na Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) de Campo Grande desde o ano passado.

A Atenção Domiciliar é indicada para pessoas que, estando em estabilidade clínica, necessitem de cuidado à saúde de maneira temporária, definitiva ou em grau de vulnerabilidade em que a atenção domiciliar é considerada mais oportuna para o tratamento.

Na Capital, são 14 pacientes das regiões do Prosa e Segredo que recebem as visitas da equipe formada por médico, enfermeiro, técnicos de enfermagem e fisioterapeuta. Estes profissionais realizam os cuidados paliativos no tratamento de escaras de decúbito (feridas que aparecem na pele de pessoas que permanecem muito tempo na mesma posição), além de administrar medicações e outros atendimentos.

“Não só os pacientes precisam do acompanhamento, mas os familiares ou o cuidador, para as orientações necessárias no atendimento com o acamado, pois são eles que convivem com estas pessoas debilitas em razão de doenças que provocam essa condição de paralisia”, explica a coordenadora do SAD, Joice Lourenço da Silva.

No bairro Estrela Dalva II, o senhor Merchildes Luz (88 anos) sofre de Alzheimer e desde maio deste ano tem o acompanhamento da equipe do SAD. Várias vezes durante a semana, os profissionais visitam o paciente e a família, realizam curativos nas feridas, aplicam medicação e orientam.

Nerivan Motta Luz, filho do senhor Merchildes, ressalta a importância do atendimento domiciliar. “Desde que meu pai começou o acompanhamento, as escaras estão diminuindo e ele recuperou um pouco peso. Eles cuidam do meu pai como se ele fosse da família deles e isso é muito importante para nós”.

O diálogo entre os profissionais e os familiares é importante para estabelecer vínculos.

O diálogo entre os profissionais e os familiares é importante para estabelecer vínculos.

A interação entre a equipe e os familiares é um fator crucial para que o paciente tenha a atenção necessária. “Nós trabalhamos para estabelecer esse vínculo, porque precisamos que a família compreenda a importância da manutenção do cuidado com o paciente quando nós deixamos a casa”, pondera Joice.

Para evitar o surgimento de escaras e até mesmo tratar as que já existem, é preciso que seja feita a mudança frequente de decúbito, isto é, alterar a posição do corpo de 2 em 2 horas. Para que os familiares sigam a orientação à risca, cada paciente tem um cronograma com as posições que devem permanecer.

“Nós seguimos o que foi estabelecido, tanto é que as feridas estão diminuindo e isso é muito bom para a saúde dele”, explica Nerivan.

Assim que a equipe chega à residência já programada para atendimento, o primeiro contato é com o cuidador que informa como o paciente evoluiu deste a última visita. Estas informações balizam os procedimentos naquele momento.

“Essas indicações sobre o atual estado de saúde do paciente é importante. Assim, sabemos o que nos espera, bem como as condições já estabelecidas” explica Joice.

Além dos curativos, a equipe avalia os sinais vitais como a pressão arterial, batimentos cardíacos, respiração, glicemia e temperatura. Havendo necessidade, os profissionais podem acionar o serviço de urgência para transferir o paciente até uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

A Atenção Domiciliar proporciona ao paciente um cuidado ligado diretamente aos aspectos referentes à estrutura familiar, à infraestrutura do domicílio e à estrutura oferecida pelos serviços para esse tipo de assistência. Dessa forma, evita-se hospitalizações desnecessárias e diminui o risco de infecções.

Os pacientes que necessitam do acompanhamento do SAD precisam passar por avaliação e atender os Critérios de Elegibilidade como: estar em área de atendimento de unidade básica de saúde da família (UBSF) e residir em uma das duas regiões de cobertura do serviço; ter um cuidador; e, condições clínicas que exijam a atenção domiciliar. Para solicitar o serviço, os familiares devem procurar a UBSF da região, que avaliará as condições daquele paciente.

O serviço oferecido pelo SAD difere do atendimento home care, quando o paciente demanda monitoramento ininterrupto (como aqueles que necessitam de ventilação mecânica), assistência contínua de enfermagem ou tratamento cirúrgico.

A Sesau já solicitou ao Ministério da Saúde o custeio para manutenção da equipe do SAD, mas atualmente os atendimentos são mantidos com recursos próprios do município. A Secretaria pretende expandir a Atenção Domiciliar às demais regiões da cidade, com a formação de novas equipes de profissionais.