Campo Grande, MS
quinta-feira, 26 de novembro, 2020

Notícias

Mídia CG > Notícias > Azambuja (PSDB) e Odilon (PDT) vão para o 2º turno em MS; Mochi fica em 3°

Azambuja (PSDB) e Odilon (PDT) vão para o 2º turno em MS; Mochi fica em 3°

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

Com 100% das urnas apuradas, Azambuja somou 44,61% dos votos; o candidato do PDT, 31,62%. Regionalização da saúde foi um tema comum na campanha de ambos.

Reinaldo Azambuja (PSDB) e Juiz Odilon (PDT) estão na disputa por uma vaga no segundo turno da eleição para o governo do Estado de Mato Grosso do Sul. O resultado foi confirmado com 99% das urnas apuradas, por volta das 19h deste domingo (7).

Reinaldo Azambuja (PSDB) ficou com 44,61% dos votos válidos, somando 576.993, seguido por Juiz Odilon com 31,62% dos votos válidos, com 408.969 votos. Junior Mochi vem em seguida com 11,61%, com 150.115 votos. Veja a apuração.

A campanha dos candidatos

Reinaldo Azambuja fez campanha para a reeleição sem deixar o cargo de governador. Há pouco mais de um mês para as eleições, em 12 de setembro, a Polícia Federal fez buscas no gabinete de Azambuja e na casa dele, como parte da operação Vostok, que investiga o suposto pagamento de propina para representantes do governo de MS em troca de créditos tributários a empresas.

Entre as propostas de Azambuja, caso eleito, estão a construção de novos presídios e a regionalização do atendimento com ações como a Caravana da Saúde. Para a segurança na fronteira, Reinaldo propõe reforçar o efetivo policial e cobrar uma ação mais efetiva da União nessas áreas. Para a educação, Azambuja pretende ampliar o ensino em tempo integral.

Juiz Odilon aposentou-se no ano passado para concorrer à eleição neste ano. Por atuar como magistrado na região de fronteira de Mato Grosso do Sul, a segurança foi uma das bandeiras de sua campanha. Odilon, se eleito, pretende ampliar o efetivo da unidade policial que atua na área de fronteira com o Paraguai e a Bolívia, o Departamento de Operações de Fronteira (DOF).

O candidato também pretende investir em polícia comunitária para oferecer mais segurança ao comércio nos bairros. Pretende também aumentar o número de delegacias e fornecer gasolina e viaturas melhorar a estrutura da polícia.

Na educação, Odilon pretende aumentar o número de escolas com aulas em tempo integral. Em entrevista ao MS1 em 12 de setembro, Juiz Odilon defendeu a regionalização efetiva do atendimento à população no interior, levando médicos e enfermeiros para as cidades.

Biografia

Reinaldo Azambuja Silva tem 55 anos, nasceu em 13 de maio de 1963 e Campo Grande (MS). É produtor rural desde 1982 quando assumiu os negócios da família, e casado desde 1983 com Fátima Silva, com quem tem três filhos, Thiago, Rafael e Rodrigo.

Foi prefeito de Maracaju (MS) em 1996 e reelegeu-se em 2000. Em 2006 elegeu-se deputado estadual e em 2010, deputado federal. Em 2012 candidatou-se à Prefeitura de Campo Grande, e teve 25,43% dos votos válidos. Em 2014, foi eleito governador de Mato Grosso do Sul.

Odilon de Oliveira nasceu em Exu, Pernambuco, em 26 de fevereiro de 1949. Concluiu o ensino fundamental com 16 anos, formou-se em Direito em 1978. É casado com Maria Divina de Oliveira, com quem tem 3 filhos.

O candidato não tem carreira na política. Foi procurador autárquico federal de 1979 a 1981, promotor de justiça de 1981 a 1982, juiz de direito de 1982 a 1986, e juiz federal de 1987 a 2017. Ficou conhecido por combater o tráfico de drogas no período em que autou em Ponta Porã.

Apuração em MS

Atualização às 20h com 100% das urnas apuradas:

Reinaldo Azambuja (PSDB) – 44,61%% – 576.993 votos
Juiz Odilon (PDT) – 31,62% – 408.969 votos
Junior Mochi (MDB) – 11,61% – 150.115 votos
Humberto Amaducci (PT) – 10,26% – 132.638 votos
Marcelo Bluma (PV) – 1,28% – 16.544 votos
João Alfredo (PSOL) – 0,63% – 8.095 votos

Fonte: g1.com.br