Campo Grande, MS
quinta-feira, 27 de janeiro, 2022

Saúde

Mídia CG > Saúde > CAMPO GRANDE SE TORNA REFERÊNCIA NACIONAL COM LANÇAMENTO DE NOVO MODELO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA

CAMPO GRANDE SE TORNA REFERÊNCIA NACIONAL COM LANÇAMENTO DE NOVO MODELO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

Ampliar o acesso da população a consultas médicas e odontológicas, coleta de exames laboratoriais, aplicação de vacinas e pré-natal, fortalecendo a Atenção Primária, é um dos objetivos do programa Saúde na Hora, lançado oficialmente na manhã desta segunda-feira (22) pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em Campo Grande, sendo a Unidade de Saúde da Família (USF) Dr Mauro Rogério de Barros Wanderley, no Bairro Iracy Coelho, escolhida para ser a primeira do país a funcionar com o novo modelo de assistência.

IMG_6571 (Copy)

O prefeito Marquinhos Trad destacou os esforços da Gestão para melhorar a saúde da população.

Para ser habilitada como unidade modelo do programa Saúde na Hora, a USF, nova nomenclatura adotada pelo Ministério da Saúde, passou por reforma, sendo executa pintura externa e interna, troca de mobiliário, execução de paisagismo, jardinagem e adequações necessárias.

A obra, orçada em R$ 104 mil contou com recursos da Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos (Agereg) e foi realizada sob a fiscalização a Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos), com a colaboração e apoio da Coordenadoria de Manutenção da SESAU.

O prefeito Marquinhos Trad, ressaltou os esforços que a atual Gestão tem feito para melhorar o atendimento à população. “Nós estamos tentando fortalecer, principalmente, a ponta, as unidades básicas de saúde e não apenas a UPA ou a média e alta complexidade, porque tudo começa lá no bairro. Se nós não darmos atenção primária, a básica, nós vamos sempre ficar correndo atrás do prejuízo”, frisou.

Estrutura para atendimento

A unidade possui quatro equipes de Estratégia de Saúde da Família (ESF), compostas por: quatro médicos, quatro odontólogos, quatro enfermeiros, sete técnicos de enfermagem, três administrativos, 1 farmacêutico, 1 dispensador de medicamentos, dois  assistentes sociais, gerente,  26 Agentes Comunitários de Saúde (ACSs) e quatro Agentes de Combate a Endemias (ACEs).

Conta com apoio matricial do Núcleo Ampliado de Saúde da Família (NASF) composto por um equipe multiprofissional: pediatra, ginecologista, fisioterapeuta, psicólogos e profissional de educação físico. É uma unidade certificada como Unidade Saúde Escola (USE) e recebe acadêmicos de enfermagem, medicina dentre outros.

É responsável por uma área de abrangência que compreende aproximadamente 20 mil pessoas e realiza acolhimento a demanda programada e demanda espontânea das 07h às 19h com média de 250 a 300 pessoas assistidas por dia com consultas e procedimentos, totalizando 5000 atendimentos ao mês.

A unidade oferta ainda escuta qualificada com classificação de risco e vulnerabilidade em todo horário de funcionamento.

Bairros da área de abrangência: Residencial Zenóbio, Itapevi, Itaparica, Itajaí, Centenário, Jardim Centenário, Cedrinho, Iracy 1,2,3, Jardim Manaíra, Vinicius de Moraes,  Aracuay Castro, Aymore 1,2 Vila Nogueira,  Amapá, Aymore.

Saúde na Hora
Campo Grande é a segunda cidade do país com o maior número de unidades habilitadas, ficando atrás somente do município de Fortaleza –CE, conforme a Portaria 86/2019 do Ministério da Saúde.

Das 68 UBSs e UBSFs existentes no município, 33 foram cadastradas e 25 homologadas/habilitadas até o momento no programa Saúde na Hora (Clique aqui e baixe a relação de unidades homologadas). As unidades devem receber um incremento  financeiro para custeio de  aproximadamente R$882 mil por mês, ou o equivalente a R$35,3 mil para cada uma. O valor do recurso destinado a partir de agora para cada unidade salta de R$ 33 mil mensais, para R$ 68,3 mil, mais que o dobro recebido atualmente. Totalizando todos os recursos, o aumento passa de R$ 724,6 para R$ 1,5 milhão mensais.

IMG_5664 (Copy)

Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, explicou o propósito do Programa Saúde na Hora.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, explicou o propósito do Programa Saúde na Hora.  “Campo Grande é a primeira cidade a ter o Programa Saúde na Hora. Atualmente, as unidades tradicionais trabalham das 7h às 11h das 13 às 17h e os trabalhadores homens e, principalmente, as mulheres trabalhadoras saem de casa muito cedo e volta mais tarde. Elas não tinham acesso à atenção primária. Com esse Programa [Saúde na Hora] as unidades podem ficar abertas até às 22 horas sem interrupção para aumentar acesso Atenção Primária e esses trabalhadores serão atendidos”, disse ele.

Em todo o Brasil, 300 unidades de saúde de 56 municípios já foram habilitadas no programa, beneficiando R$ 3,5 milhões de pessoas, segundo o Ministério da Saúde.

O programa Saúde na Hora visa ampliar o acesso da população aos serviços da Atenção Primária, como consultas médicas e odontológicas, coleta de exames laboratoriais, aplicação de vacinas e pré-natal.

A iniciativa amplia ainda os recursos mensais a municípios que estenderem o horário de funcionamento das unidades de saúde para o período da noite, além de permanecerem de portas abertas durante o horário de almoço e, opcionalmente, aos fins de semana.

As unidades passam a receber os recursos ampliados para custeio mensal das equipes já no final do primeiro mês de funcionamento, sendo observado o atendimento aos critérios previstos na Portaria 930/2019.

IMG_6564 (Copy)

Secretário de Saúde, José Mauro Filho destaca que o programa deverá atender 25 unidade de saúde em Campo Grande.

O secretário de Saúde, José Mauro Filho, disse que “é uma grande honra de poder participar desse programa nas 25 unidades habilitadas para Campo Grande que poderão atender em horário estendido e realizarem diversos atendimentos médicos, de enfermeiro, pequenos procedimentos, vacinas e proporcionar, assim, melhora dos cuidados de saúde da população.”

Atenção Primária Forte
Durante o ato, ocorreu a assinatura do Termo de Cooperação com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) tornando Campo Grande parte integrante do Laboratório de Inovação na Atenção Primária a Saúde Fiocruz Mato Grosso do Sul (INOVAAPS-FIOCRUZ MS – APS FORTE).

Em outubro do ano passado, o município passou a fazer parte do Laboratório de Inovação  em Atenção Primária da Organização Panamericana de Saúde (OPAS), braço da Organização Mundial de Saúde (OMS),  juntamente com os municípios de Porto Alegre, Teresina e Distrito Federal (Brasília).

O reconhecimento ocorreu diante do avanço na cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no município que saltou de 33% (janeiro de 2017) para 60% (outubro de 2018), ampliando assim o acesso e a qualidade da assistência prestada à população campo-grandense.

Campanha de Vacinação contra Hepatites Virais e Testagem

O evento marcou ainda o Lançamento Nacional da Campanha de Vacinação contra Hepatites Virais e Testagem. O Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais é lembrado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) no próximo domingo, dia 28 de julho.

WhatsApp Image 2019-07-22 at 08.12.19 (1)

O embaixador do Movimento Vacina Brasil Michel Teló participou do lançamento da Campanha Nacional e destacou a importância de manter a vacina em dia.

Desde o início do mês, as 68 unidades básicas de saúde de Campo Grande vêm intensificando as ações de prevenção e promoção à saúde, levando informações à população quanto a importância do diagnóstico precoce destas infecções que podem ser transmitidas pela relação sexual desprotegida.

A testagem rápida para as hepatites B está disponível nas 68 UBS e UBSF é a maneira precoce para o diagnóstico da doença. Ainda não existe vacina para a hepatite C

A vacina contra as hepatites A e B também está disponível em todas  as unidades. A vacina para hepatite A é aplicada nas crianças até os 12 meses de vida. Já para a hepatite B é administrada ao nascer e pode, também, ser realizado o esquema vacinal com três doses em qualquer idade, incluindo adolescentes, adultos, idosos e gestantes.

As hepatites são um grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo. Elas causam a inflamação do fígado por meio de vírus, uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. São doenças silenciosas que nem sempre apresentam sintomas, mas quando aparecem podem apresentar cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C. Existem, ainda, os vírus D e E, esse último mais frequente na África e na Ásia. Milhões de pessoas no Brasil são portadoras dos vírus B ou C e não sabem. Elas correm o risco de as doenças evoluírem (tornarem-se crônicas) e causarem danos mais graves ao fígado como cirrose e câncer. Por isso, é importante ir ao médico regularmente e fazer os exames de rotina que detectam a hepatite.