Campo Grande, MS
quarta-feira, 27 de janeiro, 2021

Educação

Mídia CG > Educação > COM 2,6 MIL ALUNOS ESPECIAIS, SEMED ELEVA QUALIDADE DE ATENDIMENTO

COM 2,6 MIL ALUNOS ESPECIAIS, SEMED ELEVA QUALIDADE DE ATENDIMENTO

Fonte: PMCG

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

Com mais de 2,6 mil alunos com algum tipo de deficiência ou limitação de aprendizado na Rede Municipal de Ensino (REME), além de acesso adaptado ao caderno de atividades disponibilizado pelas escolas, a Secretaria Municipal de Educação (SEMED) mantém trabalho de formação dos professores que atuam na área da educação especial.

Mesmo com as aulas presenciais da REME suspensas, até 31 de julho, por conta da pandemia da Covid-19, as lives e treinamentos virtuais oferecidos até agora contribuíram para os bons resultados que são comprovados na aprendizagem dos alunos. Para melhorar ainda mais a qualidade do atendimento, a Secretaria Municipal de Educação, por meio da Superintendência de Gestão de Políticas de Educação (SUPED), mantém formações com os professores da educação especial, por intermédio do Programa “Reflexões Pedagógicas: Diálogos entre teoria e prática”, disponível no YouTube e na TV Reme (canal 4.2 – TVE), o que contribui com os estudos e reflexões sobre o trabalho docente e colabora com o processo de aprendizagem teórico-prática.

A ação é coordenada pela Divisão de Educação Especial (DEE), ao qual foi dividida em equipes, conforme o tipo de necessidade – autismo, cegueira, baixa visão, surdez, deficiência física, dificuldade de locomoção, altas habilidades, entre outras. A intenção é repassar para os profissionais como identificar e tratar cada aluno e suas dificuldades específicas.

Os professores recebem formações sobre conceitos e características da pessoa com altas habilidades/superdotação, autismo e a deficiência intelectual, neurodesenvolvimento e as práticas pedagógicas, além de jogos e brincadeiras como instrumento de intervenção nas dificuldades de aprendizagem. Outros temas abordados foram as adequações de materiais pedagógicos e a tecnologia assistiva para alunos com deficiência física, adequações de atividades curriculares para alunos com surdez e atendimento ao aluno com deficiência visual (cegueira/baixa visão no contexto escolar).