Campo Grande, MS
quinta-feira, 24 de junho, 2021

Notícias

Mídia CG > Notícias > COM ECONOMIA DE 18,75%, DEFINIDA EMPRESA QUE REVITALIZARÁ O GUANANDIZÃO

COM ECONOMIA DE 18,75%, DEFINIDA EMPRESA QUE REVITALIZARÁ O GUANANDIZÃO

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

A  Ajota Engenharia e Construção Ltda será responsável pela  reforma e revitalização do Ginásio Poliesportivo Avelino dos Reis, o Guanandizão, interditado há cinco anos e que deve ser reaberto dentro  das comemorações do aniversário de Campo Grande, em 2019.   O resultado da licitação foi divulgado  na edição desta quinta-feira(13) do Diário Oficial do Município (Diogrande). A disputa na concorrência reduziu em 18,75% o preço de referência do projeto, gerando uma economia de R$ 434.538,29. De R$  2.3156.740,11, o custo da obra caiu para R$ 1.881.538,29.

O projeto é resultado da parceria da Prefeitura com o Governo do Estado. O projeto elaborado pela Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos prevê reforma completa das instalações elétricas, orçada em R$ 470,3 mil (25% do custo total); substituição do piso da quadra (R$ 352 mil); pintura geral (R$ 404 mil ) e novo paisagismo (R$ 106 mil).

Serão feitos ainda reparos e vedação de buracos na cobertura, instalação de tela de proteção em torno do ginásio (para evitar a proliferação de pombas),  revitalização do piso interno, substituição do vinil da quadra, reforma e execução de calçada externa com acessibilidade, regularização e pintura das quadras de esporte externas, entre outras benfeitorias. A obra, que deve começar no primeiro trimestre de 2019, deve ser concluída em oito meses a partir da ordem de serviço.

O ginásio

O Guanandizão, com capacidade para receber 8.240 pessoas, foi construído há 34 anos pelo Estado,  já sediou shows, como o de Roberto Carlos(em 2013), eventos esportivos como a etapa da Liga Mundial de Vôlei entre Brasil e Portugal (2004). Desde 2012 é administrado pela Prefeitura de Campo Grande, mas no ano seguinte (2013), foi fechado pelo Corpo de Bombeiros por falta de projeto de controle e prevenção de incêndio.