Campo Grande, MS
domingo, 23 de janeiro, 2022

Notícias

Mídia CG > Notícias > COM FOCO NA DIVERSIDADE CULTURAL, ESCOLA SULIVAN SILVESTRE PROMOVE FEIRA INDÍGENA

COM FOCO NA DIVERSIDADE CULTURAL, ESCOLA SULIVAN SILVESTRE PROMOVE FEIRA INDÍGENA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

A Escola Municipal Sulivan Silvestre Silveira – Tumune Kalivono (Criança para o futuro), comemorou neste sábado (27), o Dia Nacional do Índio com a proposta de valorizar e resgatar a cultura indígena por meio de danças, comidas e bebidas típicas.

????????????????????????????????????

A vigésima edição do evento apresentou como tema “A força da raiz indígena na formação da diversidade cultural brasileira”, e foi realizada na unidade, que fica localizada dentro da aldeia urbana Marçal de Souza.

A feira contou com barracas de comidas típicas, artesanato e  apresentação de mudas de plantas cultivadas pelos indígenas como o milho, pimenta, mandioca, bananeiras entre outras variedades.

A secretária municipal de Educação, Elza Fernandes, destacou a importância do evento para a Rede Municipal e para a comunidade local.

“Temos muitos alunos de descendência indígena, por isso é importante não deixar essa tradição acabar e também passar para os alunos que não são indígenas para que eles possam ter o respeito com a cultura diferente da deles”, afirmou

????????????????????????????????????

A Rede Municipal de Ensino (Reme), conta com a Divisão da Educação e Diversidade, que foi responsável pela organização do  evento, realiza trabalhos de formações com os professores nas unidades onde há o maior número de descendentes indígenas.

“Esse trabalho é feito com as escolas e nós estamos pensando também na questão da língua indígena, pois muitos alunos só têm a língua, e por isso, uma dificuldade de aprendizagem”, pontuou a secretária.

A diretora da unidade, Maria Elisa Vila Maior, explicou que a Feira Cultural vem ao encontro com a proposta de  mostrar a cultura como ferramenta de inclusão social na área da educação.

“Esse trabalho sempre traz uma proposta diferenciada a cada ano para refletirmos sobre a importância de não só olhar a questão da obrigatoriedade do ensino das diferentes culturas, mas para realmente trabalhar na questão da perspectiva da inclusão dos direitos educacionais de todos e seu reconhecimento da valorização das culturas”, explicou.

207f20fd-5822-4198-be41-d59792db2f66

Dança do bate pau

Os alunos da escola também fizeram apresentações de danças indígenas, o que chamou a atenção de toda a comunidade. A cantora e compositora Lenilde Ramos marcou presença no evento junto com o professor indígena Itamar Pereira, no canto do hino do estado de Mato Grosso do Sul em língua terena.

Outra apresentação que emocionou a comunidade foi a Dança da Ema, mais conhecida como a Dança de Bate Pau, realizada em duas etapas. Primeiro pelos alunos da escola e depois com os homens da comunidade.

Para a dona de casa Erika Cunha Chimenez, descendente Terena e, que possui filho estudante na unidade, a escola faz parte da sua história de vida.

f6f1f408-95ae-45d3-a871-b9169b6aaa08 (1)

“Todo ano participo. Eu estudei aqui desde o pré até o quarto ano. Tenho 27 anos e hoje é o meu filho que está aqui. Ele agora está no 5º ano. Para nossa comunidade essa comemoração é muito importante. O que me chama mais atenção são as danças. É bom não deixar isso acabar aqui na escola”, enfatizou Erika.

O aluno João Henrique Santos, 11, do 4º ano, também descendente da etnia terena, contou o que achou da comemoração.

“Gosto da comemoração porque tem brincadeiras, cabo de guerra, bolo. Apresentei a dança do bate pau. Eu aprendi bastante sobre a minha cultura”, disse.

Escola indígena

A escola possui 385 alunos. A maior parte é de descendência indígena. Parte dos professores que leciona na unidade é descendente indígenas da etnia local. O diferencial da escola está ainda no acréscimo de disciplinas de língua e cultura terena que são aplicadas para as crianças.

Além da sala de aula com matérias específicas, a alimentação também é direcionada de acordo com a cultura indígena, conforme preconiza o PNAE – Programa Nacional de Alimentação Escolar que orienta para o uso de alimentos que fazem parte de tradições culturais da região.