Campo Grande, MS
quinta-feira, 13 de maio, 2021

Notícias

Mídia CG > Notícias > CONSELHEIROS DO CORAD TOMAM POSSE PARA NOVO MANDATO

CONSELHEIROS DO CORAD TOMAM POSSE PARA NOVO MANDATO

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

Foram empossados nessa quinta-feira (7), os novos membros do (Conselho de Recursos Administrativos dos Servidores Municipais) CORAD. O mandato tem validade de dois anos.

O secretário da Controladoria-Geral do Município, Luiz Afonso de Freitas Gonçalves, ao empossar os novos conselheiros, destacou que o papel desempenhado pelo Órgão Colegiado é de extrema importância.

05

“O CORAD está ligado diretamente à vida funcional do servidor, garantindo medidas que visem aprimorar a harmonia na relação entre a administração pública e o servidor municipal”, afirma Luiz Afonso.

O Conselho, unidade independente e vinculada à CGM (Controladoria-Geral do Município), é composto por cinco conselheiros titulares, sendo 1(um) servidor da Controladoria-Geral de Fiscalização e Transparência; 1(um) servidor da Secretaria Municipal de Gestão; 1(um) servidor da Secretaria Municipal de Saúde e 2 (dois) procuradores da Procuradoria-Geral do Município.

Eleito presidente do Conselho, o procurador do Município, Henrique Anselmo Brandão Ramos recepcionou os novos conselheiros ressaltando a forma de organização e atuação da unidade.

“O propósito do Conselho é permitir ao servidor, acesso a uma última instância recursal dentro do Poder Executivo Municipal, que analise, julgue e traga uma legitimidade sobre seu caso”, explica Anselmo.

Segundo o presidente, todos os servidores municipais que respondem processos no âmbito da administração municipal têm direito a recorrer de decisões interpostas por autoridades relacionadas à área de Recursos Humanos.

“É direito garantido ao servidor que seu pedido seja avaliado por um colegiado composto por funcionários efetivos. O CORAD analisa de forma imparcial, respeitando os princípios norteadores do Direito Administrativo, evitando situações de injustiça ou desigualdade”, finaliza Anselmo.

Durante o ano de 2018, o Conselho realizou mais de 40 reuniões, sendo submetido à apreciação do órgão colegiado, o total de 33 processos, desses, 25 já foram julgados e concluídos.