Campo Grande, MS
quinta-feira, 6 de maio, 2021

Saúde

Mídia CG > Saúde > EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS SUBSIDIAM DISCUSSÃO SOBRE JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE

EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS SUBSIDIAM DISCUSSÃO SOBRE JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

O Comitê Estadual do Fórum do Judiciário para a Saúde de Mato Grosso do Sul, a Secretaria Municipal de Saúde (SESAU) e o Núcleo de Evidências de Mato Grosso do Sul realizam, no dia 22 de agosto, das 09h às 18h, um diálogo deliberativo entre operadores do direito e da saúde para discutir opções e alternativas relacionadas à Judicialização da Saúde, que geram gastos imprevistos com a saúde.  O encontro conta com a participação de representantes da sociedade civil diretamente implicados no tema, como o Conselho Municipal de Saúde e o Conselho Regional de Medicina.

Somente no ano passado, foram 3347 processos abertos contra a Prefeitura de Campo Grande, solicitando principalmente medicamentos, internação, fraldas, consultas, dietas/suplementos, cirurgias, exames, serviços de Home Care e transporte. Ao todo, foram gastos com judicialização R$ 26 milhões no ano passado.

Parte importante deste recurso não estava previsto em orçamento.  Somente em sequestro judicial R$ 7.503.451,94 foram retirados R$7,5 milhões diretamente das contas do município. Os medicamentos foram os itens mais judicializados, totalizando 969 ações que custaram R$6,4 milhões no período. Até julho deste ano, já foram consumidos aproximadamente R$19,4 milhões com processos judiciais.

Durante a reunião, será discutido um documento elaborado pelo Ministério da Saúde, Fiocruz Brasília e Instituto Veredas, que apresentarão diagnósticos da situação e três condutas que podem ser tomadas para enfrentar o problema. Essas medidas serão avaliadas pela Sesau, Núcleo de evidências, Conselho Municipal de saúde e Conselho Regional de Medicina, que tentarão contextualizar as ações e aplicar na cidade de forma efetiva.

Núcleo de Evidências

Os Núcleos de Evidência capacitados e implementados pela Rede de Políticas Informadas por
Evidências (EVIPNet Brasil) no país funcionam como Plataformas de Tradução do Conhecimento
(Knowledge Translation Plataform – KTP), buscando, avaliando e adaptando as evidências científicas
necessárias para a gestão, em linguagem acessível e direcionada para os objetivos de, por exemplo, uma
Secretaria de Saúde.

Existem 12 núcleos de evidência formalizados no Brasil. O Núcleo de Evidências do Estado de Mato
Grosso do Sul configura o décimo terceiro e é fruto de acordo de cooperação entre a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e a Prefeitura de Campo Grande através da sua Secretaria Municipal de Saúde (SESAU).

Primeiras medidas

Há um mês a primeira medida para reduzir esses gastos foi tomada. A Coordenadoria de Apoio Técnico-Científico nos Processos de Judicialização da Saúde (Catjus) estima que entre julho e agosto houve uma economia de mais de R$ 425 mil.

A coordenadoria tem como função adequar as necessidades dos pacientes que entram com ações judiciais em serviços que já são oferecidos pelo SUS, como é o caso de três serviços de Home Care, três aparelhos de suporte respiratório e mais três serviços de transporte do usuário, que deixaram de ser terceirizados e foram enquadrados no Serviço de Atenção Domiciliar (SAD). Houve também o contestamento da necessidade de um aparelho auditivo, já que a equipe técnica percebeu que não havia a necessidade de o paciente usar o equipamento.