Equipes do ICMbio, Ibama e as organizações não-governamentais Ecoa e Instituto Homem Pantaneiro (IHP), totalizando 58 homens, chegaram para reforçar e atuar diretamente no combate aos focos de incêndio na Serra do Amolar e entorno das comunidades ribeirinhas.

Os incêndios retomaram há uma semana de forma intensa na região e chegaram a ameaçar uma comunidade de 23 famílias e 190 pessoas localizada nas proximidades do encontro das águas dos rios Cuiabá e Paraguai, entrada para o Parque Nacional do Pantanal (Poconé, MT).

A ação faz parte da Operação Pantanal II, montada pelo Governo do Estado com o apoio do governo federal e da Marinha. Nesta sexta-feira, 25, as ações continuam no sentido de proteger (formação de aceiros) as comunidades pelo fogo, que ocorre no entorno, com apoio de brigadistas do ICMbio. Haverá combate aos focos que surgiram em direção ao parque, pela margem esquerda do Rio Cuiabá, território de Corumbá.

Uma das maiores dificuldades do trabalho, nesse momento, segundo os coordenadores da operação é a de locomoção fluvial devido ao baixo nível do Rio Paraguai.