Campo Grande, MS
sexta-feira, 7 de maio, 2021

Educação

Mídia CG > Educação > MS dá salto na educação e é o que mais inclui jovens no Ensino Médio

MS dá salto na educação e é o que mais inclui jovens no Ensino Médio

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

Mato Grosso do Sul deu um salto na educação ultrapassando 15 unidades da federação e é o estado com melhor desempenho no incremento da quantidade de jovens de 15 a 17 anos matriculados na escola, no período 2012-2017. O diagnóstico da Educação Básica foi feito pelo Instituto Ayrton Senna.

Com o avanço, Mato Grosso do Sul deixou para trás a lanterninha no número de jovens no Ensino Médio e chegou à 12ª posição. “Nos últimos cinco anos, no último quinquênio, Mato Grosso do Sul deu um salto fantástico. Foi o estado brasileiro, a unidade da federação, com melhor desempenho em termos de aumentar a proporção de jovens que frequenta a escola ou já concluiu o Ensino Médio. Esse processo acelerado, esse avanço do Mato Grosso do Sul, fez com que ultrapassasse vários estados brasileiros”, disse o autor do levantamento, o economista-chefe do Instituto Ayrton Senna, Ricardo Paes de Barros.

Mato Grosso do Sul superou Acre, Alagoas, Rondônia, Pará, Espírito Santos, Goiás, Pernambuco, Paraíba, Maranhão, Ceará, Sergipe, Bahia, Paraná, Minas Gerais e Roraima. O estudo foi feito com base em informações do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) e do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

De acordo com a Secretaria de Estado de Educação, a inserção de estudantes de 15 a 17 anos matriculados no Ensino Médio está ligada ao programa Escola de Autoria, criado em 2015, que elevou a ideia do Ensino em Tempo Integral a um novo patamar. Em todo o estado, 27 unidades ofertam Ensino Médio em tempo integral por meio do programa.

Mão de obra qualificada

Outro destaque de Mato Grosso do Sul apontado pelo relatório é que o sistema econômico tem acompanhado a evolução da educação conseguindo absorver a mão de obra qualificada que produz, ao contrário do que acontece com estados como Goiás, apontado como primoroso em relação ao sistema educacional, mas que não consegue absorver esse contingente e acaba exportando trabalhadores qualificados para Brasília e centros metropolitanos de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo.