Campo Grande, MS
domingo, 29 de novembro, 2020

Notícias

Mídia CG > Notícias > População pode prestigiar Mostra Kuumba até 31 de outubro

População pode prestigiar Mostra Kuumba até 31 de outubro

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

Com a energia e a força raiz da cultura afro, foi aberta na noite da última quinta-feira (30.08), no Espaço Jorapimo da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, a Mostra coletiva Kuumba, com pinturas, gravuras, instalações, assemblagens e lambe-lambes, realizados por artistas do Coletivo Enegrecer.

Marilena Grolli, do Núcleo de Artes Visuais da FCMS, cumprimentou os artistas: “A Fundação de Cultura abre nesta noite a exposição Kuumba, com o Coletivo Enegrecer. São artistas que ao longo do tempo legitimaram sua prática artística visando enaltecer a cultura afro de forma criativa, inovadora, crítica e informativa. Cumprimento nossos artistas, que nos brindam com sua obra”.

A coordenadora do Coletivo Enegrecer, artista visual Erika Pedraza, sorteou um quadro para os presentes, e declarou estar feliz em ver amigos e representantes do movimento negro na primeira exposição do Coletivo. “Cada artista está com uma ideia, uma pesquisa, uma pauta, e todas elas precisam ser faladas. Nosso intuito é sair do atelier e mostrar nosso trabalho, e nisso a união ajuda bastante, com o coletivo isso se torna possível”.

Galvão Preto, do Núcleo de Artes Visuais da FCMS, enalteceu a importância da parceria da Fundação de Cultural com a Subsecretaria de Políticas Públicas para a Promoção da Igualdade Racial. “É uma parceria se inicia hoje, entre o Núcleo de Artes Visuais da FCMS e a Subsecretaria, como uma ação afirmativa de promoção da igualdade racial por meio das artes. Agradecemos a todas as pessoas que colaboraram na realização deste evento”.

A subsecretária da Igualdade Racial, Ana José, salienta que parcerias são muito importantes no trabalho que realiza. “A gente tem feito nossa equipe contando com apoio e parcerias. Esse projeto é um dos que a Subsecretaria está formalizando, para que em dezembro apresentemos projetos também com a juventude negra. Contamos com essa juventude, faço um apelo à juventude negra para que participe dos movimentos. A nossa voz precisa se propagar muito mais. Consolidamos hoje esta parceria que fazemos com a Fundação de Cultura e gostaríamos de contar com o coletivo que aqui se encontra, para dar visibilidade às expressões da população negra. Essa luta é de todos nós. Axé.

O diretor geral da FCMS, Max Freitas, representou no evento a diretora-presidente Mara Caseiro. “Em nome da Mara Caseiro, gostaria de falar o quanto estou contente em ver aqui o Galvão Pretto. O Espaço Jorapimo aqui é muito importante e pedimos ao coletivo que continue ocupando esse espaço, que é de todos. Gostaria que o Espaço Jorapimo se tornasse bastante utilizado pelas artes visuais. Precisamos de movimentação. Agradeço a todos que estão aqui fazendo esse espaço valer a pena”.

A abertura da Mostra foi enriquecida com participação mais que especial da Cia de Artes Rob Drown, que encantou os presentes com a força da dança e música brasileiras. Danças, toques, cantos e tradições, verdades de grupos tradicionais foram vivenciadas e transformadas pelo Batuque de Tayós, levando ao público uma experiência única que incentivou também a participação na roda de todos os que desejaram partilhar deste momento único.

A artista Erika Pedraza produziu a obra símbolo da exposição “Mulheres invisíveis 2019”. Para realizar a pintura, ela se utilizou de referências femininas negras, que sempre são esquecidas na história e na sociedade. “Sempre tive referências na minha vida de homens, e brancos, tive poucas referências nas Artes Visuais de negros, muito menos de mulheres. No Curso de Artes Visuais da UFMS, quando eu cursei, tinha apenas quatro alunos negros e não havia professores negros. Aí comecei a me perguntar que referência temos de negros no Estado? Comecei a questionar isso. Tem muitas mulheres negras que estão na história e a gente não estuda, não fala sobre elas. Descobri isso agora, como a escritora Carolina de Jesus, a sambista Dandara Alves, a cantora e também sambista Clementina de Jesus, entre muitas outras, representadas nesta obra”.

Danilo Carvalho, estudante de Artes Visuais, trouxe para a Mostra Kuumba o quadro “Ancestralidade”, retratando o povo Efik, do sudeste da Nigéria, “com amor, união e respeito”. “A pintura corporal eles usam como forma de demonstrar sentimentos quando uma criança nasce. Para o artista negro, autoafirmação é muito importante. A gente quer demonstrar que não queremos essa representação negativa que temos na sociedade. Representar a cultura da minha etnia é uma maneira de me expressar como artista”.

Auriellen Leonel é uma pesquisadora das Artes Visuais e da história da mulher negra africana e afro-brasileira. Ela trouxe para a Mostra Kuumba um livro que fica exposto para ser manuseado pelo público. ”Este livro possui uma linha sequencial e relação de imagens e palavras num contexto do corpo da mulher africana, que foi tirada da família, foi separada dos filhos e silenciada com medo. O medo cria uma relação tênue entre as palavras fraco e forte. É como se não tivéssemos direito à fragilidade pelo estigma de povo que resistiu ao sofrimento. Trabalhar com expressões africanas acrescenta para a minha identidade, para conhecer quem eu sou, é uma forma de você se encontrar”, diz a artista.

Essas e outras obras da Mostra provocam questionamentos e reflexões de assuntos que vão desde o cotidiano no contexto atual, aos espaços que nossos corpos ocupam.

Serviço

Quem desejar conhecer estas preciosidades basta comparecer ao Espaço Jorapimo, que fica saguão do Memorial da Cultura e Cidadania, na Avenida Fernando Corrêa da Costa, 559, Centro, Campo Grande. A entrada é franca e o horário de visitação é de segunda a sexta, das 7h30 às 17h30, até 31 de outubro.

Fonte: Portal do MS