Campo Grande, MS
quinta-feira, 21 de janeiro, 2021

Saúde

Mídia CG > Saúde > PREFEITURA ADERE À CAMPANHA ‘SINAL VERMELHO PARA A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA’

PREFEITURA ADERE À CAMPANHA ‘SINAL VERMELHO PARA A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA’

Fonte: PMCG

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

A Prefeitura de Campo Grande aderiu a campanha “Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica”, realizada pela Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa),  Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que tem por objetivo disponibilizar às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, especialmente durante o período de isolamento social em meio à pandemia de Covid-19, mais um meio de denunciar seus agressores. O município conta com 85 farmácias na Rede Municipal de Saúde que poderão integrar a campanha como ponto de acolhimento e denúncia.

Para denunciar, basta que a mulher mostre um “X” vermelho, que pode ser desenhado na palma da mão ou em um pedaço de papel, usando batom, tinta ou qualquer material. A Polícia Militar deverá ser imediatamente acionada. Os servidores das unidades que eventualmente venham a integrar à campanha ainda deverão receber orientações sobre como proceder diante da situação.

Em Mato Grosso do Sul,  a iniciativa é conduzida pela Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Tribunal de Justiça com apoio do Conselho Regional de Farmácia (CRF-MS). Além das farmácias da Rede Municipal de Saúde, a campanha deve contar com adesão das farmácias e drogarias privadas. A Capital possui cerca de 400 estabelecimentos, segundo o CRF-MS. No Estado, são mais de 1 mil.

Segundo a Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do TJMS, existe constatação de subnotificação dos casos de violência doméstica e familiar contra mulheres, detectada durante a pandemia do coronavírus nas unidades policiais e judiciárias. Com o isolamento social, as mulheres ficam confinadas em suas casas com seus agressores, à mercê de toda forma de violência.