Campo Grande, MS
quarta-feira, 21 de abril, 2021

Notícias

Mídia CG > Notícias > Presos em operação da PF em Mato Grosso do Sul são liberados após fim da prisão temporária

Presos em operação da PF em Mato Grosso do Sul são liberados após fim da prisão temporária

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

Entre os detidos, estavam o deputado estadual Zé Teixeira (DEM), e Rodrigo de Souza e Silva, filho do governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

As 13 pessoas presas durante a Operação Vostok, deflagrada pela Polícia Federal em Mato Grosso do Sul, foram soltas neste domingo (16), após o fim da prisão temporária. Entre os detidos, estavam o deputado estadual Zé Teixeira (DEM), e Rodrigo de Souza e Silva, filho do governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Na quarta-feira (12), 220 policiais federais cumpriram 41 mandados de busca e apreensão e 14 mandados de prisão temporária, na capital e em municípios do interior do estado. Apenas um mandado prisão não foi cumprido, é o de José Ricardo Guitti Guimaro, mais conhecido como Polaco. A defesa dele informou que o cliente vai se entregar ainda neste domingo à Polícia Federal de Brasília.

A operação

Na quarta-feira (12), a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão na casa e no gabinete do governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), como parte da Operação Vostok. A operação investiga o suposto pagamento de propina a representantes da cúpula do governo do estado em troca de créditos tributários a empresas.

Um dos filhos do governador, Rodrigo Silva, foi preso. O deputado estadual Zé Teixeira (DEM) e o conselheiro Márcio Monteiro do Tribunal de Contas do Estado também estavam o entre os alvos da ação da PF. Na quarta à tarde, o governador Azambuja esteve na sede da PF e prestou depoimento.

A operação foi autorizada pelo ministro Félix Fischer do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Azambuja é alvo de investigações que tramitam sob sigilo no STJ. Em maio do ano passado, em depoimento de delação premiada, Wesley Batista, um dos donos do grupo JBS, disse que a empresa pagou propina para dois ex-governadores de MS, o deputado federal Zeca do PT e André Puccinelli (MDB), e a Reinaldo Azambuja para conseguir incentivos fiscais e, assim, pagar menos impostos.