Campo Grande, MS
quinta-feira, 26 de novembro, 2020

Saúde

Mídia CG > Saúde > PROFISSIONAIS DE SAÚDE RECEBEM ORIENTAÇÕES PARA MELHORAR DETECÇÃO DE DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO AEDES

PROFISSIONAIS DE SAÚDE RECEBEM ORIENTAÇÕES PARA MELHORAR DETECÇÃO DE DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO AEDES

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

A Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), por meio da Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica (CVE), vai capacitar, nas próximas semanas, médicos, enfermeiros e técnicos da Rede de Saúde da Capital quanto ao fluxo, manejo clínico e notificações de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti (dengue, zika e chicungunha). A primeira reunião de atualização aconteceu na manhã desta quarta-feira (23).

As notificações de casos suspeitos de dengue, zika e chicungunha são importantes para a Sesau adotar medidas de intervenção, prevenção e controle para proteger a população. Neste processo, os profissionais de saúde são fundamentais para os registros das doenças.

Na primeira turma que se reuniu hoje e também vai se encontrar na próxima semana, foram convocados profissionais das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Universitário, Moreninhas e Leblon e dos Centros Regionais de Saúde (CRSs) Aero Rancho e Coophavilla. Em fevereiro, profissionais das demais unidades de atendimento 24 horas se encontram.

Foi apresentado os dados da situação das doenças transmitidas pelo Aedes, o fluxo para a notificação dos casos, período ideal para coleta de material biológico para encaminhamento ao laboratório e o manejo clínico deste paciente. A condução da reunião ficou a cargo da gerente técnica de Vigilância Epidemiológica da Endemias, Neuma Rocha Chaves, e da médica infectologista da Sesau, Dra. Márcia Dal Fabbro.

Para a coordenadora da CVE, Mariah Barros, as notificações são extremamente necessárias para que sejam tomadas medidas de controle. “Não há descrédito algum para a unidade de saúde em notificar doenças preocupantes, como a dengue. Ao contrário disso, é importante para a população tome conhecimento da real situação da gravidade, tomem as medidas de prevenção necessárias, enquanto os órgãos públicos atuam na conscientização, na realização de bloqueios para evitar ainda mais a proliferação do Aedes, além de poder estabelecer medidas nas unidades para facilitar o atendimento de pacientes mais agravados”, explicou.

As notificações são realizadas por meio de fichas de notificação individuais, que possuem campos para preenchimento essenciais para a compreensão de como ocorreu a doença e a evolução. Esse procedimento é feito dentro do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan).

Para ser considerado caso suspeito de dengue, é avaliado no relato do paciente se ele vive ou viajou nos últimos 14 dias para área onde esteja ocorrendo transmissão da doença ou tenha presença de Aedes aegypti e que apresente febre, usualmente entre 2 e 7 dias, e apresente duas ou mais das seguintes manifestações: náuseas, vômitos, exantema (erupções na pele de cor avermelhada), mialgias (dores musculares), cefaleia (dor de cabeça), dor retro orbital (dor nos olhos), petéquias (pontinhos vermelhos no corpo) ou prova do laço positiva e leucopenia (diminuição de leucócitos – glóbulos brancos – no sangue abaixo do limite inferior da normalidade).

Se alguém apresentar um dos sintomas mencionados, deve o procurar o atendimento médico na unidade mais próxima da residência.

De acordo com dados epidemiológicos divulgados pela CVE até o momento foram notificados 451 casos de dengue, seis de chikungunya e de zika. Em janeiro do ano passado (2018) foram notificados 374 casos de dengue, 27 de chikungunya e 22 de zika.