Campo Grande, MS
quarta-feira, 21 de abril, 2021

Notícias

Mídia CG > Notícias > Programa do Estado leva segurança para escolas da Capital

Programa do Estado leva segurança para escolas da Capital

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

Garantir segurança para estudantes, professores e pais nos locais de ensino e aos arredores. É esse o objetivo do programa Escola Segura, Família Forte implantado pelo Governo do Estado em 60 escolas de Campo Grande há mais de um ano e que já rende bons frutos no combate, principalmente, ao tráfico de drogas e brigas entre os alunos.

“Sem segurança, não há aprendizagem. O aluno precisa se sentir seguro na escola e até os pais precisam ter segurança de que vão mandar seus filhos para escola e eles estarão seguros”, frisa o diretor da EE Professora Thereza Noronha de Carvalho, Pedro Anisio Ferreira Novais, que fica no Parque Lageado.

Diretor da EE Profª Thereza Noronha de Carvalho, Pedro Anisio Ferreira Novais.

O diretor diz que a escola está localizada em uma das regiões mais vulneráveis da Capital e que eram recorrentes os casos de ameaças de brigas entre alunos, venda e consumo de drogas e casos de roubos nos arredores da instituição. “Agora não temos mais esses problemas. Era quase uma boca de fumo embaixo das árvores próximas das escolas e isso acabou, não ficam mais porque sabem que a qualquer momento a ronda pode passar”, conta. Professora há mais de 20 anos na escola, Nilza de Oliveira afirma que “agora não vemos brigas”.

O coordenador do programa, Valson Campos dos Anjos, explica que o objetivo é atuar não só na resolução de delitos, mas também na prevenção. “Fazemos um papel preventivo; se tem ameaça de briga, que os pais ou professores informaram para a direção da escola, a ronda é acionada para fazer a segurança na saída dos alunos e não ter briga”, detalha.

Professora há mais de 20 anos na escola, Nilza de Oliveira afirma que “agora não vemos brigas”.

Proximidade

Entre os meses de fevereiro e novembro deste ano, foram registradas 6.624 atividades/ocorrências nas escolas atendidas pela ronda escolar do Projeto. As principais ações foram de abordagens a pessoas no ambiente escolar e fora dele (1.248) e abordagem a veículos (724).

O programa conta com ronda escolar, feita por seis viaturas com 20 militares (divididas entre as regiões das cidades), que receberam capacitação para atuar com a comunidade escolar. “Uma abordagem com aluno é diferente de uma que o policial faz na rua. São policiais preparados e isso faz a diferença na interação com os alunos”, afirma o diretor.

O contato diário com os policiais no ambiente escolar ainda contribui para desmitificar o trabalho da Polícia. “Eles passaram a não ter medo como tinham antes da Polícia. Em bairros como o nosso é comum ouvirem traficantes falarem mal de policiais e acabarem atraindo os jovens para o crime”, analisa.

Ao lado das colegas de classe, Mayra Santana, de 10 anos, conta que “me sinto mais segura” com a presença constante dos policiais na escola. Além das rondas e visitas a escola, os policiais realizam palestras para os alunos e pais.

Mayra Santana (em pé/à esquerda) afirma que se sente mais segura depois da implantação do Projeto.

Agilidade e prevenção

Outro ponto positivo, de acordo com os educadores, é que a proximidade com os policias aumentou a agilidade na resolução de problemas, como roubos, que eram frequentes no período noturno das aulas na escola do Parque Lageado. Foram criados grupos de Whatsapp com os responsáveis pelas escolas e os policiais da viatura que atendem a região para facilitar e agilizar a comunicação.

“Qualquer problema eu aciono a viatura da ronda escolar da nossa região e eles chegam rápido. Há um mês um aluno teve a bicicleta roubada quando saía da escola, acionamos a ronda e em cerca de meia-hora tinham recuperado a bicicleta”, lembra o diretor.

Programa

O programa Escola Segura, Família Forte é uma iniciativa inédita do Governo do Estado, implantado no segundo semestre de 2017, em 60 escolas, sendo 29 municipais e 31 estaduais. O projeto foi inscrito numa convocatória internacional do Banco de Desarrollo da América Latina – CAF para uma consultoria gratuita por três anos. No fim deste ano deve ser apresentada avaliação do programa, que irá permitir a extensão para o próximo ano e ampliação das escolas atendidas.

Fonte: Portal do MS