Campo Grande, MS
domingo, 23 de janeiro, 2022

Notícias

Mídia CG > Notícias > Reabertura do Guanandizão valoriza o esporte e reconta capítulos da história de Campo Grande

Reabertura do Guanandizão valoriza o esporte e reconta capítulos da história de Campo Grande

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

Nome de bairro que por muitos anos ficou à margem do desenvolvimento urbano da cidade, o Ginásio Guanandizão voltará a ser a principal praça de esportes coberta de Mato Grosso do Sul com o projeto de revitalização em execução pelo Governo do Estado e Prefeitura de Campo Grande. Os investimentos resgatam um templo do esporte e da cultura, que no passado sediou competições e shows nacionais e revelou grandes atletas.

Inaugurado em 1984 pelo ex-governador Pedro Pedrossian, com shows dos artistas Rita Lee e Alceu Valença em ascensão, o Ginásio Poliesportivo Avelino dos Reis homenageia o dono de uma joalheria na cidade que foi um dos maiores incentivadores do esporte local. Sua construção, moderna para a época, incluiu a Capital no calendário esportivo nacional e foi base para projetos de iniciação ao esporte, os quais revelaram atletas em várias modalidades.

“O Guanandizão é a própria história do nosso desporto, ali já desfilaram grandes atletas de renome nacional e internacional e nos projetamos no cenário brasileiro nos áureos tempos do time de vôlei da Copaza”, se recorda o secretário especial de Governo Carlos Alberto Assis. Segundo ele, o ganho que o esporte e a cidade terão com sua reforma será imensurável. “Vamos atrair competições nacionais e dar suporte aos nossos clubes e atletas”, pontuou.

Carlos Alberto Assis e Marcelo Miranda inspecionam as obras no interior do ginásio

As estrelas do vôlei

Assim como ocorreu no futebol com a construção do Morenão, surgindo clubes profissionais e participação em campeonatos brasileiros, o Guanandizão motivou a formação de uma equipe de vôlei de expressão, a Copaza, entre as três melhores do Brasil na época (1984/87). O clube revelou Carlão e Pampa, campeões olímpicos em 1992, e enfrentou no ginásio equipes do nível da Pirelli e Minas. Momentos do esporte que agora poderão ser retomados com o apoio do poder público.

Outro espetáculo de grande repercussão presenciado pelo público sul-mato-grossense foi o confronto pela Liga Mundial de Vôlei entre Brasil e Portugal, que se enfrentaram nos dias 19 e 20 de junho de 2004. O Brasil, comandado pelo técnico Bernardinho, venceu facilmente os dois jogos (com transmissão pela TV) por 3 a 0, em menos de 70 minutos cada, e uma torcida animada lotou o ginásio, conforme noticiou o jornal O Estado de S. Paulo.

“Durante a segunda partida, a torcida gritava “Geovane, Geovane, Geovane” e o técnico decidiu colocar o atacante em quadra, para delírio de oito mil pessoas”, narrou o jornal. O atleta acabou marcando o último ponto, fechando a vitória e mantendo o Brasil invicto. “Achei que devia atender a torcida, por tudo o que ele já fez pelo vôlei”, declarou Bernardinho, que preferiu dar oportunidade aos novatos nesse jogo, dentre eles Roberto Minuzzi, com apenas 22 anos.

Equipe de vôlei da Copaza

Copaza entre os melhores

Fomento à economia

Outra competição com a presença de ícones do esporte nacional foi a etapa do Troféu Brasil de Ginástica e Circuito Caixa de Ginastica Artística e Rítmica, nos dias 27 a 30 de maio de 2010. Na ginástica olímpica, presenças de Diego Hypólito, Mosiah Rodrigues, Arthur Zanetti, Sérgio Sasaki, Daniele Hypólito, Jade Barbosa, Ethiene Franco e Khiuani Dias. Na rítmica, Elaine Sampaio, Rafaela Costa, Anita Klemann, Ana Paula Scheffer e Angélica Kvieczynski.

A reforma do ginásio, com equipamentos modernos acompanhando a nova tecnologia implantada nos grandes palcos esportivos, vai propiciar novamente esses momentos que continuam na memória da cidade. Para o diretor-presidente da Fundesporte (Fundação de Desporto e Lazer de MS), Marcelo Miranda, a reabertura do Guanandizão valorizará o esporte e a cultura e dará suporte a uma série de ações de futuro para movimentar a economia local.

“Estamos resgatando o nosso esporte e a cultura e reconstruindo uma estrutura que colocará Campo Grande novamente no circuito dos grandes eventos esportivos e de entretenimento”, observou Miranda. “Deixamos de sediar competições nacionais em várias modalidades, como os Jogos Escolares Brasileiros, que injetariam R$ 6 milhões na cidade”, completou. “O Guanandizão representa muito para gerações que cresceram com os projetos de iniciação esportiva.”

Operários reconstroem a calçada no entorno do ginásio

Quadra terá piso móvel, acompanhando a tecnologia

Obras em andamento

O governador Reinaldo Azambuja e o prefeito de Campo Grande, Marquinhoss Trad, assinaram no dia 31 de janeiro deste ano a ordem de serviço da reforma e adequação do ginásio administrado pelo município, com recursos (R$ 1,8 milhão) do Estado. A revitalização incluirá a recuperação da parte hidráulica e elétrica, arquibancada, vestiários, alojamentos, banheiros, cobertura, pintura e reurbanização da área externa do complexo esportivo.

“A revitalização do Guanandizão traduz um grande anseio dos desportistas do Estado. O ginásio poliesportivo vai poder voltar a receber eventos importantes, tanto esportivos, como culturais . Além de devolver capítulos importantes da história de Campo Grande”, avalia o governador.

As obras sequem em ritmo acelerado, com conclusão prevista para meados de 2020. O piso da quadra foi retirado e será substituído por uma base móvel em conformidade com o esporte a ser praticado e suas especificações. A capacidade de público será mantida em 8.240 pessoas, atendendo recomendações de segurança, mas as cadeiras serão trocadas e haverá adequações em acessibilidade. As lajotas no entorno do ginásio foram retiradas e o espaço ganhará novo piso.

Moradores usam o espaço para atividades esportivas.

Para a reabertura do ginásio, Estado e Município se articulam para trazer um jogo pelas ligas nacional ou mundial de vôlei. Enquanto a reforma segue, os dirigentes esportivos contabilizam um novo momento para o esporte. “A falta de um espaço como o Guanandizão hoje inibe as federações de captar grandes eventos nacionais ou mesmo realizar competições regionais”, afirma o presidente da Federação de Voleibol de MS, José Eduardo Amâncio da Mota (Madrugada).

Fonte: Portal do MS