Campo Grande, MS
domingo, 23 de janeiro, 2022

Saúde

Mídia CG > Saúde > REUNIÃO DISCUTE ESTRATÉGIAS PARA UTILIZAÇÃO DE MOSQUITOS GENETICAMENTE MODIFICADOS EM CAMPO GRANDE

REUNIÃO DISCUTE ESTRATÉGIAS PARA UTILIZAÇÃO DE MOSQUITOS GENETICAMENTE MODIFICADOS EM CAMPO GRANDE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

Representantes do Ministério da Saúde, técnicos e pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e das secretarias municipais e estadual de Saúde estiveram reunidos nesta terça-feira (16) para discutir estratégias para implementação do projeto que utiliza mosquitos geneticamente modificado para fazer o controle da dengue, zika e chikungunya, doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.  Campo Grande é a primeira cidade a integrar a nova fase da pesquisa utilizando mosquito infectado com a bactéria “Wolbachia” capaz de inibir a transmissão das doenças.  Os municípios de Belo Horizonte (BH) e Petrolina (PE) também devem fazer parte do estudo .

Segundo o pesquisador da Fiocruz, Luciano Moreira, o primeiro passo é iniciar um planejamento estratégico que envolve desde a definição territorial e de logística à orientação e consulta popular, seguindo os protocolos éticos pré-definidos.

“Inicialmente é necessário que a população conheça  e entenda qual a finalidade do projeto.  Por isso é necessário que haja uma ampla divulgação em todos os setores, em especial entre as lideranças comunitárias e nas escolas. É preciso ainda difundir sobretudo a ideia de que essa é uma ferramenta a mais no enfrentamento às arboviroses que por sua vez não substituí as demais ações e que não traz riscos de contaminação por outros vírus, questionamento bastante comum”, diz.

O pesquisador explica que simultaneamente a fase de mobilização deve ser iniciada a fase de criação dos mosquitos que devem ser posteriormente soltos na natureza em forma adulta ou de ovos, em pontos considerados estratégicos. A proposta é capturar mosquitos “nativos” que serão encaminhados para um laboratório em Belo Horizonte onde serão infectados com a bactéria e multiplicados para posteriormente serem reintroduzidos.

“Esse mapeamento também deve ser feito nessa fase inicial do projeto. Precisamos saber a áreas mais críticas e com melhor potencialidade para que haja maior eficácia na introdução do mosquito infectado. A Wolbachia é passada naturalmente das fêmeas para os filhotes, o que garante uma autossustentabilidade não sendo necessário a introdução permanente de novos insetos.”, esclarece.

O secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, acredita que é posteriormente é possível se pensar em se criar uma estrutura própria em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde, o que tornaria Mato Grosso do Sul referência para os estados e países vizinhos para uma futura difusão desta tecnologia.

“A partir deste estudo, Mato Grosso do Sul pode se tornar referência e quem sabe o caminho seria investirmos em uma biofábrica para que possamos avançar ainda mais”, disse.

A partir da reunião realizada nesta terça-feira está sendo deliberada a criação de um comitê gestor que vai reunir integrantes do Ministério da Saúde, Fiocruz, secretarias municipal e estadual de saúde e será responsável por conduzir os trabalhos.

A expectativa é de que o projeto comece efetivamente na prática ainda no segundo semestre deste ano, dado o cumprimento das fases pré-estabelecidas.

Wolbachia 

Wolbachia é uma bactéria amplamente presente entre os invertebrados e pode ocorrer naturalmente em até 60% de todos os insetos do mundo, incluindo borboletas e diversos mosquitos, como o Culex, o comum ‘pernilongo”.

O estudos da introdução da bactéria no Aedes aegypti tiveram início em 2005 na Austrália, onde foi constatado a potencialidade na inibição das arboviroses.

A tecnologia foi introduzida nas pesquisas desenvolvidas pela Fiocruz no Brasil e em 2014 testes foram realizados em Niteroi, no Rio de Janeiro, sendo comprovada a sua eficácia.