Campo Grande, MS
quinta-feira, 17 de junho, 2021

Saúde

Mídia CG > Saúde > VACINAÇÃO CONTRA SARAMPO E POLIOMELITE TEM INÍCIO NA SEGUNDA; META É VACINAR 48 MIL CRIANÇAS

VACINAÇÃO CONTRA SARAMPO E POLIOMELITE TEM INÍCIO NA SEGUNDA; META É VACINAR 48 MIL CRIANÇAS

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

A Campanha de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo começa na próxima segunda-feira (6) nas 66 unidades básicas da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) de Campo Grande. A meta é vacinar 95% das crianças de 12 meses a menores de 5 anos (4 anos, 11 meses e 29 dias), sendo que este público contabiliza 48.050.

O objetivo da Campanha é captar crianças ainda não vacinadas ou que não obtiveram resposta imunológica satisfatória à vacinação, minimizando o risco de adoecimento e, consequentemente, reduzindo ou eliminando os bolsões de não vacinados. O Dia D está marcado para 18 de agosto e não será realizada vacinação contra sarampo voltada para adultos.

Os pais e responsáveis são atores sociais importantes no processo de manutenção da eliminação das doenças imunopreveníveis e por isso devem comparecer às unidades básicas de saúde (UBS/UBSF) com suas crianças, levando a caderneta de vacinação para avaliação e registro da vacina. As salas de vacinação das unidades funcionam de segunda a sexta-feira, das  7h15 às 11h e das 13h às 16h45.

Contra a Poliomielite será utilizada a vacina oral (gotinha) em crianças que já tenham recebido uma ou mais doses de VIP (vacina inativada poliomielite) ou VOP, independente do intervalo entre a dose da rotina e a ser administrada na Campanha.

Já contra o Sarampo será aplicada a Tríplice Viral, que protege contra o Sarampo, Caxumba e Rubéola. Para esta vacina, serão seguidas algumas determinações específicas do Ministério da Saúde:

  • Serão vacinadas: crianças que não foram imunizadas; ou que já receberam a vacina há mais de 30 dias; ou completaram esquema vacinal (tríplice + tetra) há mais de 30 dias;
  • Não serão vacinadas: crianças que receberam a vacina Tríplice Viral ou Tetra Viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) há menos de 30 dias.

Não há contra indicações absolutas para a VOP (gotinha), evitando a vacinação em crianças com infecções agudas e com febre acima de 38ºC; com hipersensibilidade conhecida a algum componente da vacina (estreptomicina ou eritromicina); ou que apresentaram qualquer reação anormal à vacina no passado.

No caso da Tríplice Viral, administração desta vacina deve ser adiada nas seguintes situações: doenças agudas febris moderadas ou graves; após uso de imunoglobulina, sangue e derivados; crianças em uso de drogas imunossupressoras ou de biológicos; em uso de corticosteroides em doses imunossupressoras; em uso de quimioterapia antineoplásica só devem ser vacinadas 3 meses após a suspensão do tratamento; e, transplantados de medula óssea recomenda-se vacinar com intervalo de 12 a 24 meses após o transplante para a primeira dose. A vacina é contraindicada Anafilaxia (alergia grave) a dose anterior da vacina; ou em crianças menores 5 anos de idade de com imunodepressão grave.

Cobertura Vacinal
Até junho deste ano foram vacinadas 6756 crianças com a Tríplice Viral, atingindo a cobertura vacinal de 95,14%, enquanto que na VIP, 5403 crianças receberam a 3ª dose o que representa 76,09% da meta. Em 2017 a cobertura dói de 96,44% e 83,02&, respectivamente. Por isso, os pais e responsáveis devem aproveitar a Campanha para atualizar a Caderneta de Vacinação das crianças, eliminando os bolsões de não vacinados.

Poliomielite
No que se refere à poliomielite, esta é uma doença infectocontagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro de paralisia flácida, de início súbito. Acomete em geral os membros inferiores, de forma assimétrica, tendo como principais características a flacidez muscular, com sensibilidade preservada, e a arreflexia no segmento atingido. A transmissão ocorre por contato direto pessoa a pessoa, pela via fecal-oral (mais frequentemente), por objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes ou portadores, ou pela via oral-oral, através de gotículas de secreções da orofaringe (ao falar, tossir ou espirrar). A falta de saneamento, as más condições habitacionais e a higiene pessoal precária constituem fatores que favorecem a transmissão do poliovírus.

Sarampo
O Sarampo é uma doença infecciosa exantemática aguda, transmissível e extremamente contagiosa, podendo evoluir com complicações e óbito, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade. A transmissão ocorre de pessoa a pessoa, por meio de secreções respiratórias, no período de quatro a seis dias antes do aparecimento do exantema até quatro dias após. O último caso da doença foi registrado em Campo Grande em 2002.