Campo Grande, MS
sábado, 8 de maio, 2021

Notícias

Mídia CG > Notícias > PROFISSIONAIS DA REME SÃO PREMIADOS COM PROJETOS SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

PROFISSIONAIS DA REME SÃO PREMIADOS COM PROJETOS SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest

Iniciativas com foco na qualidade de vida por meio de hábitos saudáveis e uma alimentação que tem como base plantas não convencionais, as chamadas Pancs, renderam a profissionais da Rede Municipal (Reme), dois prêmios nacionais.

Na escola Fauze Scafdf Gattass Filho, quatro nutricionistas da Superintendência de Alimentação Escolar (Suale), Fernanda Maciel Mendes da Costa, Ana Paula Leite Fabrine, Aline Neves Costa e Tatiana Perassolo, tiveram seu projeto intitulado como “Nossa Merenda é PANC”, na área de alimentação escolar classificado na 2ª Edição da Jornada de Educação Alimentar e Nutricional, pelo Governo Federal, por meio do Ministério da Educação (MEC) e que contou com mais de mil unidades escolares concorrentes.

No projeto, as nutricionistas utilizaram plantas não convencionais na alimentação escolar. Uma das receitas de sucesso foi a galinhada com taioba, moringa e ora-pro-nobis.

A nutricionista Fernanda Costa, explicou que a educação alimentar e nutricional influencia diretamente no que os alunos consomem. “Hoje no mercado temos várias opções de produtos industrializados, mas sempre a equipe técnica procura priorizar os alimentos mais naturais possíveis ou minimamente processados”, enfatizou.

Para a aluna Rafaela de Matos Machado, 12 anos, do 7º ano, as Pancs não são novidade. Em sua família o uso é cotidiano e sua avó insere as plantas sempre nas refeições.

“A planta que mais gosto é a Serralha. Conheço a taioba também. Já comi na escola e acho que se as outras pessoas comessem iam gostar, é natural e não tem agrotóxico. Como desde que eu nasci”, pontuou.

Emili Conceição, 12 anos, cursanda do 7º ano, da Escola Fauze, acha que o uso pode ser benéfico para a saúde, mas que muitas pessoas não sabem identificar quais são as plantas que podem ser utilizadas.

“Acho legal porque muita gente não conhece e são super saudáveis. Muita gente vê na rua e não sabe que aquela planta talvez possa comer. Já comi algumas, taioba, hibisco. Tem um gosto diferente.”

Hábitos saudáveis

Já na escola Professor Nerone Maiolino, o professor de História Anysio Henriques Neto e Sirley dos Anjos e a professora de Educação Física, Sirley dos Anjos, foram vencedores da segunda edição do prêmio Crianças Mais Saudáveis, promovido pela Fundação Nestlé Brasil e que tem o objetivo de engajar educadores na promoção de novos hábitos no âmbito escolar.

O trabalho da dupla, que esta semana está em São Paulo recebendo o prêmio, ficou entre os dez melhores do país, sendo o único classificado na região Centro-Oeste e tem como proposta levar os alunos a adotarem um estilo de vida saudável. A iniciativa da Fundação Nestlé Brasil recebeu 883 inscrições e 446 projetos de 26 estados brasileiros.

Com o tema Brincando com alimentos: introdução de alimentos PANCs na merenda escolar, os professores apresentaram um projeto que prevê a construção de uma horta formada por plantas alimentícias não convencionais. Também serão desenvolvidas atividades interdisciplinares incluindo cinco hábitos saudáveis e como praticá-los.

O professor Anysio Henriques explicou que a dupla vai contar, ao longo da implantação do projeto, com acompanhamento, capacitação técnica e suporte pedagógico, além de um prêmio de R$ 35 mil, que será aplicado não apenas na implantação da horta com plantas não convencionais, mas também na compra de mais um bebedouro para ser instalado na quadra, já que um dos cinco hábitos saudáveis é aumentar o consumo de água, na construção de uma brinquedoteca, que estimula o ato de brincar e reforma da cozinha da unidade.

“A ideia de melhorar a alimentação do aluno vai além da questão escolar. “O melhor aprendizado é o significativo, aquele que ele pode reproduzir fora da escola. Acredito que vamos melhorar a vida deles e da família incentivando o consumo das Pancs”, mencionou a professora Sirley.

Para o professor Anysio, o trabalho resgata uma cultura pré-histórica. “Os homens da Pré-História se alimentavam de mais de dez mil tipos de plantas diferentes, com isso permitimos que esse aluno carregue esse hábito com ele e divulgue na família”, afirmou.